Existem estudos que indicam uma tendência de aumento na precipitação pluviométrica (chuvas) para a região Sul do Brasil. Será que em Joinville, município com mais de 500.000 habitantes que possui um dos maiores acumulados anuais de precipitação do país, existe uma tendência de aumento nos totais pluviométricos mensais e anuais?

Abaixo, apenas para ilustrar o que comentei acima sobre Joinville ser um dos municípios com os maiores totais pluviométricos, mapa comparando a média anual de precipitação no país e em destaque os municípios com mais de 450.000 habitantes, segundo dados do CPRM e IBGE respectivamente.

Apenas 9 municípios no Brasil com população acima de 450.000 habitantes apresentam precipitação média anual em áreas do território superior a 2.000 mm anuais. Sendo eles: Joinville, Ananindeua, Belém, Cuiabá, Duque de Caxias, Macapá, Manaus, Porto Velho e Santo André. Estes dados de precipitação são do Atlas Pluviométrico do Brasil (1977-2006), comparei também com os dados do CHIRPS (1981-2016) e com base nestes últimos dados os municípios (população >450 mil hab.) do Rio de Janeiro e São Luís também possuem áreas de seu território com precipitação média anual superior a 2.000 mm. 

 

(Clique sobre a imagem para visualizar melhor)

Municípios do Brasil com população acima de 450 mil habitantes e precipitação média anual em áreas do território superior a 2.000 mm. Fonte: ANA; CPRM. Elaborado por Yara de Mello, 2018.

 

A discussão que irei apresentar a seguir faz parte dos resultados das pesquisas que venho desenvolvendo para a minha tese de doutorado, que trata sobre a influência da serra na precipitação no nordeste de Santa Catarina. Em breve será publicado um artigo envolvendo esse tema com maiores detalhes…

 

Então… com o intuito de verificar a existência de tendências nas séries climatológicas de precipitação foram selecionadas as séries históricas mais consistentes (longas e com menor número de falhas). Foram aplicados os testes de tendência de Mann-Kendall no software Action Stat, e Regressão Linear Simples no software Microsoft Excel. Para todos os testes estatísticos aplicados foi utilizado o nível de significância (α) de 5% para rejeitar a hipótese nula.

Importante lembrar que se o objetivo á analisar se existe tendências nas séries históricas, seja de precipitação, temperatura, etc., é importante a utilização de estações com séries longas de dados e que estes dados sejam confiáveis, sem muitas falhas nos registros…

Outro ponto importante para ser mencionado é que foram utilizadas estações localizadas nos arredores da região nordeste do Estado, inclusive no Paraná. As características climáticas não se limitam aos LIMITES administrativos.

 

Das 14 estações pluviométricas analisadas, três apresentaram tendência positiva nos dados, e nenhuma estação apresentou tendência negativa. As estações que apresentaram tendência positiva foram: Joinville (RVPSC), localizada na planície costeira, próximo ao centro da cidade de Joinville; Fragosos, localizada no planalto, município de Piên, Paraná; e Rio da Várzea dos Lima, localizada no planalto, município de Quitandinha, Paraná. Estas estações estão destacadas no mapa abaixo:

 

(Clique sobre a imagem para visualizar melhor)

Estações pluviométricas utilizadas na análise de tendência. Elaborado por Yara de Mello, 2018.

 

A estação Joinville (RVPSC) apresentou tendência positiva para a série histórica anual, e em todas as estações do ano.

A estação Fragosos apresentou tendência positiva na série anual e na primavera.

A estação Rio da Várzea dos Lima apresentou tendência para os períodos anual, verão, inverno e primavera.

Anualmente a precipitação aumentou aproximadamente 13,8 mm na estação Joinville (RVPSC), 11,3 mm na estação Fragosos e 6,2 mm na estação Rio da Várzea dos Lima, segundo o teste de regressão linear.

Dentre as estações analisadas quatro estão localizadas dentro dos limites de Joinville, mas apenas uma delas apresentou tendência na série. Porém, a estação Joinville (RVPSC), que apresentou tendência positiva, é a única estação localizada no mesmo local desde o início de sua operação, e é a estação que possui a maior e mais representativa série histórica (74 anos) da CIDADE.

Dentre as estações do ano a primavera foi a que apresentou o maior número de estações com tendência positiva e o outono foi à estação do ano com o menor número.

Apesar de apenas três estações apresentarem tendência positiva nos dados de precipitação, com base na observação dos gráficos gerados pelo teste de Mann-kendall em relação ao período anual, para onze das estações a orientação da reta foi crescente, para apenas uma estação foi decrescente, e para duas estações a orientação da reta foi nula.

 

CONCLUSÃO: Existem estações que apresentam tendência de aumento na precipitação na região e outras não, mas  fato é que a maior parte dos gráficos de tendência apresentam uma orientação crescente, e os eventos de precipitação intensa aumentaram nas últimas décadas. Como pode ser observado no gráfico abaixo, que traz registros de precipitação para Joinville de 1889 a 2001 feitos pela família Schmalz.

Precipitação anual registrada pela família Schmalz. Organizado por: Yara de Mello

 

Para saber mais sobre a distribuição de precipitação média em Joinville e região CLIQUE AQUI e AQUI.

 

Fonte:

MELLO, Y. R. de. Influência da Serra do Mar sobre a pluviometria no nordeste do estado de Santa Catarina. 2018Tese em andamento (Doutora em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.